fbpx

Festivais de coros do Rio Grande do Sul: (1963-1978) : práticas músico-educativas de coros, regentes e plateia

A investigação, de caráter qualitativo (PIRES, 2010; GONZÁLEZ REY, 2005; MELUCCI, 2005), teve por objetivo geral compreender as práticas músico-educativas engendradas nos Festivais de Coros do Rio Grande do Sul, que foram realizados durante o período 1963-1978, na cidade de Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul. 

Como objetivos específicos a pesquisa buscou: 

1) analisar a constituição e a organização dos Festivais de Coros; 

2) examinar como eram mobilizados os atores sociais para os/dos Festivais de Coros, as estratégias de envolvimento utilizadas, as redes de cooperação e interdependência que permitiam a realização dos eventos e as tramas que envolveram os atores sociais naquele contexto específico; 

3) interpretar a participação de coros, regentes e plateia e as exigências colocadas para os participantes dos Festivais; 

4) analisar quais eram as concepções sobre cantar em coro, que aprendizagens e que formações musicais ocorreram nos/a partir da participação nos eventos e quais foram as contribuições dos Festivais de Coros.

Como procedimento investigativo trabalhei a partir da história oral, com a qual pude combinar fontes escritas (artigos de jornais da época, programas musicais, cartas) com fontes orais (pré-entrevistas e entrevistas). 

Para a compreensão das redes estabelecidas pelos participantes dos Festivais de Coros, empreguei o conceito de configurações ou figurações de Norbert Elias (1997; 2008). 

Pelo conteúdo dos Festivais analisados, foram úteis as visões teóricas que focam o canto coral como movimento sociopolítico ou nacionalista (CHINALI, 2009; GILIOLI, 2008; SILVA, 2001, 2012; SANTOS, 2012; SOUZA 1991, 1999, 2007). Estudos sobre festivais de arte também ajudaram a iluminar o campo empírico (FLÉCHET, 2011, 2013; GOETSCHEL; HIDIROGLOU, 2013). 

Práticas músico-educativas foram se constituindo e sendo propaladas a partir da ação dos agentes participantes dos Festivais. 

A partir de uma comissão organizadora foi institucionalizada a Associação dos Festivais de Coros do Rio Grande do Sul, que passou a mobilizar atores internos (coros, regentes, imprensa e público) e externos (autoridades, governos, patrocinadores e apoiadores). 

Examinar o que era exigido e que dinâmica movia regentes, coros e público a participar dos Festivais de Coros, ajuda a compreender as aprendizagens geradas e impulsionadas pelo contexto. Os resultados da pesquisa mostram as formações musicais de cantores, regentes e público ocorridas a partir de concepções sobre cantar em coro e do habitus (ELIAS, 1997) gerado na e pela participação nos Festivais, além de outras contribuições impulsionadas por aqueles eventos.  … 

Dra. Lúcia Helena Pereira Teixeira

Dra. Lúcia Helena Pereira Teixeira

Lúcia Teixeira é bacharel em Regência (1992), Mestre (2005) e Doutora em Educação Musical (2015) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Leia Mais

COMPARTILHE

Facebook
LinkedIn
Email
WhatsApp
Telegram
Pinterest
Google+

Deixe uma resposta

Mais Artigos

1º Festival ON LINE Internacional de Coros – TRAMAVOZ

O Grupo Vocal TRAMAVOZ, sob a regência de Martin Altevolgt, realiza no dia 11 de dezembro de 2020, sexta-feira, às 20, o 1º Festival ON LINE Internacional de Coros – TRAMAVOZ.
A transmissão poderá ser acompanhada pelo Facebook do grupo.

Festival de Corais de Catanduva

Portal PRESTO Canto Coral O Festival de Corais de Cantanduva   O FESCC – Festival de Corais de Catanduva – é um evento musical e, excepcionalmente